Brazil_3_sports_728x90_BR

Clássico de Manchester tem maior pressão em Mourinho

Olhando para trás sobre a guerra explosiva de palavras entre Pep Guardiola e José Mourinho entre 2010 e 2011.

A pressão está toda sobre José Mourinho. Depois de começo de 100% na Premier League, o Manchester United, poderia esperar um clássico contra o Manchester City no sábado em alta. Mas ao invés disso, o seu impacto em Old Trafford tem sido ofuscado pelo início de Pep Guardiola no Manchester City.

As táticas de Guardiola tem produzido feitiços na abertura dos três jogos onde o City foi espetacular. O uso de Kevin De Bruyne e David Silva como “falsos 9” tem dado ao time de Guardiola uma flexibilidade agradável quando atacam. Nos jogos contra o Stoke City e West Ham United, o City parecia o tipo de equipe que poderia fugir abocanhar o título.

Houve alguns períodos, também, quando o seu ponto fraco ficou visível. Mourinho terá notado isso. O problema é que, até agora, a performance do United ainda traz sinais de uma ressaca de Louis Van Gaal sendo que para Mourinho ainda está implementando sua marca em Old Trafford, e isso leva um pouco mais de tempo.

Poucos imaginavam que Juan Mata e Marouane Fellaini iriam começar os três primeiros jogos de seu mandato. Era mais previsível que Wayne Rooney estivesse envolvido, mas apesar da afirmação pré-temporada de Mourinho que o capitão da Inglaterra não iria jogar no meio-campo, o jogador atingiu o ponto alto de sua carreira, quando jogava no ataque.

O meio-campo do United tem sido estático e tem carecido de dinamismo. Paul Pogba acabará por mudar isso, mas tem sido surpreendente que Henrikh Mkhitaryan fez uma contribuição muito pequena. O Armênio não mostrou o futebol dos tempos de Borussia nos três primeiros jogos e pode perder o derby por causa de uma lesão quando estava a serviço de sua seleção. Com Fellaini também em uma corrida para entrar em forma, o meio-campo do United terá uma mistura mais uma vez.

O sistema de Guardiola oferece aos adversários a chance de explorar suas fraquezas. Usando um ataque de cinco homens com Sergio Aguero, Nolito, Raheem Sterling, De Bruyne e Silva, e isso significa que pode haver lacunas na defesa. No seu melhor, Mourinho iria escolher táticas diferentes do seu rival e isolar as áreas onde sua equipe pode ter espaço. Anthony Martial tem ritmo e Zlatan Ibrahimovic a sagacidade para expor o City no espaço vazio, mas o United é menos propenso a tirar vantagem no meio-campo.

É difícil imaginar o United nesse jogo contra seus vizinhos. Mourinho não tem o mesmo tipo de jogadores que tinha nos times anteriores. Seus melhores tempos – No Chelsea na década de 2000, e na Inter de Milão – foram disciplinados, manteve as coisas apertadas e mantinha um ritmo diferente, sempre que estava ganhando ficava com a possede bola. Os momentos mais escuros do português vieram quando ele não confiava em seus jogadores e tornou-se muito cauteloso.

Sua segunda passagem pelo Chelsea há três anos, levou Mourinho a Old Trafford no início da temporada e jogou por um empate de 0-0 contra a equipa David Moyes, que ofereceu muito pouca ameaça. Esse resultado foi psicologicamente pior do que uma derrota. Se ele errar contra o City, as críticas podem ser ainda mais significativas.

A história do United com Guardiola faz este primeiro derby um jogo diferente.  Sir Alex Ferguson tinha muitos inimigos em sua carreira – Arsene Wenger, Rafa Benitez – mas a rivalidade mais convincente foi sua luta para superar seu rival catalão. Ele atingiu um pico quando Mourinho conseguiu entrar no Real Madrid, quando Guardiola estava no comando do Barcelona, mas o duelo poderia chegar a uma nova intensidade em Manchester.

Como nos dias dos confrontos Classicos, há um choque de filosofias e um desagrado entre os dois homens um para o outro. Guardiola é parte de um plano mais amplo para transformar o City em uma potência do futebol mundial sustentável. A ele foi proporcionado tanto tempo quanto for preciso para reconstruir o Etihad à sua própria imagem, uma identidade que se encaixa perfeitamente com as ambições da hierarquia do City.

A situação de Mourinho é diferente. Ele está lá para fornecer uma solução rápida. Ferguson famosamente descreveu seu papel em Old Trafford há 30 anos como sendo o “batedor do Liverpool fora de sua casa.” O Português tem que encontrar uma maneira de colocar o United no seu lugar, um lugar que foi abdicado com uma série de más decisões e duas nomeações gerenciais pobres, após Ferguson inesperadamente aposentado.

Alguns na sala de reuniões não queriam Mourinho. Eles ainda são suspeitos. Em Old Trafford, todos, incluindo o treinador, tem o objetivo de fazer o United voltar ao topo, mas a realidade é que Mourinho está lá para ganhar agora. Se ele falhar, não haverá um futuro para planejar e não há visão mais ampla do que ser orientado da missão de  ficar entre os primeiros para a qualificação para da Liga dos Campeões (no mínimo) e ganhar troféus. Guardiola tem o luxo de planejar para o longo prazo.

Pontos de interrogação pairam sobre Mourinho, não Guardiola. Ele tem que encontrar respostas rapidamente. Isso é o que ele faz de melhor. Não vai ser fácil roubar os holofotes do técnico do City, mas Mourinho irá certificar-se de que seu grande rival tenha um dia difícil no Old Trafford.

Jurgen Klopp pede a confiança da torcida do Liverpool

Jurgen Klopp, como muitos no futebol, odeia a maneira e o dinheiro gatos com as taxas de transferência enormes na Premier League. Muitos ficaram de olhos arregalados acompanhando os clubes da Premier League gastando mais de £ 1,1 bilhão na janela de verão e isso foi certamente pouco edificante.

A resposta do treinador do Liverpool, é decepcionante, apesar de tudo. Explicando os gasto líquido do clube no verão – o segundo mais baixo na divisão – ele pediu confiança. “Se você realmente ama este clube, então você precisa acreditar no nosso caminho.”

Deixando de lado que alguém que tenha chegado a um clube a menos de um ano possa ditar o que é “amor” por um clube que muitos fãs apoiam desde que nasceram, a justaposição das palavras “necessidade”, e “acredita” sugere uma fé baseada em abordagem que é a única maneira de se formar uma equipe. É um insulto e implica que os torcedores que fazem as críticas realistas de um clube não são verdadeiros torcedores.

Invocando a fé é como em uma religião mais do que um esporte. Você pode imaginar alguém com o carisma de Klopp, se tivesse tomado um caminho diferente, enchendo estádios como um pregador. A diferença é que você não tem que esperar até o pós-vida para a sua recompensa (ou a falta dela) no futebol. Apenas o fim da temporada.

Ofereceu uma escolha entre a fé e o dinheiro na Premier League, é provavelmente mais seguro para confiar no dinheiro. O dinheiro fala, e quando isso acontece, é frequentemente mais honesto do que os técnicos.

Esse é o tipo de política de honestidade que realmente dá aos torcedores algo que eles poderiam acredita – eles gostando ou não.

Other Articles

Nova tatuagem de Fernando Torres
Chuteira Adidas com textura de cobra

Comments (1)

  1. O vosso site é fantastico gosto das vossas publicações.Halla Madrid

Leave a Reply