728x90_b_

Túnel de tempo: Aldair

Hoje a sessão Craques do Passado irá relembrar a carreira de um dos maiores zagueiros do futebol brasileiro, e que por consequência de sua capacidade se tornou um dos maiores ídolos da torcida da Roma, esquecido pelas grandes mídias, hoje falaremos sobre ALDAIR.

Começando a carreira, no rival?

aldair-flamengo-1989

Quando Aldair resolveu entrar no mundo do futebol ele foi ao Vasco da Gama fazer um teste, o Gigante da Colina era a equipe do coração de seu pai, mas Aldair não conseguiu despertar o interesse dos comandantes e acabou sendo dispensado. Mas ele não desanimou do futebol e durante uma pelada no Rio de Janeiro ele foi visto por Juarez dos Santos que o levou para o Flamengo, lá ele ganhou espaço e começou a trilhar no mundo da bola.

No ano de 1985, aos 19 anos, Aldair foi promovido ao time principal do Flamengo e teve a oportunidade de atuar com Zico, Andrade e Leandro, suas atuações logo o credenciaram para a titularidade e com 185 partidas ele foi peça importante na conquista do Carioca de 1986 e Brasileiro de 1987.

Um ano na Luz, e que ano!

Em 1989 após ser destaque do Flamengo ele se mudou para Portugal a fim de defender o Benfica que havia perdido Mozer para o Marseille, e não demorou muito para Aldair formar a dupla de defesa ao lado de Ricardo Gomes, nesta temporada o clube da Luz chegou até a decisão da Taça dos Campeões (hoje UEFA Champions League), neste jogo, Aldair quase marcou um belo gol depois de roubar a bola de Marco van Basten, deixar Ruud Gullit para trás e com liberdade para finalizar, mas foi neutralizado pela zaga milanista.

Chegando na Itália, o começo de uma lenda!

aldair-roma-2

Mais uma vez como destaque de seu clube, ele despertou o interesse de outro, e um ano após chegar ao Benfica, Aldair optou por ir até a cidade eterna defender a Roma, a Loba era gerida por Dino Viola que fez em Aldair sua última aposta, e a escolha do zagueiro foi a mais correta na época pois aquele defensor apelidado de Pluto foi aos poucos caindo nas graças da torcida e colocando seu nome na história, o zagueiro ficou 13 anos na Roma e quando saiu do clube em 2003 ele deixou para trás 415 partidas, 20 gols, e 3 títulos, sendo um deles o Calcio de 2000-01. Sua passagem na Roma foi tão grande que o clube decidiu aposentar a camisa 6 que ele usou durante mais de uma década, porém a pedido do próprio Aldair o número foi cedido a Kevin Strootman, um dos mais queridos jogadores da Roma e que pode ter uma história parecida devido ao sentimento para com o clube.

Passando pela amarelinha! 

aldair-brasil

Aldair chegou até a Seleção Brasileira devido as suas boas atuações pelo Flamengo, convocado por Sebastião Lazaroni para a Copa América, atuou em 5 partidas na competição, disputada em território brasileiro.

Em 1990, na Copa da Itália, Aldair não participou de nenhum jogo, fato que o deixou bastante inconformado com Lazaroni, que deixou o comando da Seleção logo após o torneio. Quatro anos mais tarde, nos Estados Unidos, após as contusões de Ricardo Gomes e Ricardo Rocha, Aldair e Márcio Santos formaram a dupla de zaga tetracampeã mundial. Aldair também participou das Olimpíadas de Atlanta, como um dos 3 atletas com mais de 23 anos de idade (Rivaldo e Bebeto completaram a lista), quando o Brasil decepcionou e conseguiu apenas a medalha de bronze.

Na Copa de 1998, Aldair formou a dupla de zaga com Júnior Baiano, Mas, não repetiu as atuações da Copa anterior e chegou a encerrar a carreira internacional. Porém, Aldair voltou a vestir a camisa da Seleção Brasileira em junho do ano seguinte, já com Wanderley Luxemburgo no comando. O último jogo do zagueiro foi contra o Uruguai, pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa de 2002. Criticado por falhar no gol de Darío Silva, Aldair decidiu encerrar de vez uma trajetória de 11 anos pela Seleção Brasileira, com 81 partidas disputadas e 3 gols marcados.

O começo do fim!

Em 2004, já com uma idade avançada ele começou a desenhar seu fim de carreira, primeiro ele precisava dar os últimos passos na Itália, e o Genoa apostou no zagueiro, porém o contrato era de apenas uma temporada e Aldair só entrou em campo 17 vezes. Não rendendo como outrora, Aldair anunciou aposentaria no mesmo ano, mas a pedido de sua esposa ele aceitou o convite do Rio Branco (ES) e assinou com o Capa-Preta, porém ele fez apenas duas partidas que foram suficientes para o clube ganhar o Capixaba da 2ª divisão.

Já aposentado, em 2007 ele recebeu um convite de Massimo Agostini, e aceitou a missão de voltar aos gramados, o clube escolhido era o Murata de San Marino que tinha pela frente a fase preliminar da UEFA Champions League, o clube não chegou longe mas serviu para Aldair se despedir dos gramados em alta, pois era o nome do clube. Em 2010, ele anunciou oficialmente e definitivamente a aposentaria.

Dos gramados para a areia!

Após se retirar dos gramados, Aldair se tornou jogador de futvolêi, em 2012 ele defendeu a Itália no II Mundial de 4×4, mas terminou em quarto lugar, no mesmo ano ele foi campeão da Liga Nacional atuando pelo Flamengo.

TÍTULOS

  • Flamengo: Campeonato Carioca (1986), Taça Guanabara (1988 e 1989), Taça Rio (1985 e 1986) e Módulo Verde da Copa União (1987)
  • Benfica: Supertaça de Portugal (1989)
  • Roma: Copa Itália (1990/1991), Campeonato Italiano (2000/2001), e Supercopa da Itália (2000/2001)
  • Rio Branco: Campeonato Capixaba da 2ª Divisão (2005)
  • Murata: Campeonato Samarinês (2007/2008) e COPA Titano (2007)
  • Seleção Brasileira: Copa América (1989 e 1997), Copa do Mundo (1994), Taça Stanley Rous (1987) e Copa das Confederações (1997)

Other Articles

Leave a Reply